ptenfrdeitrues

Pranchas

Prancha - Palavra de Maçon

A expressão “Palavra de Maçon” (Mason Word) designa, numa pequena vintena de textos escoceses e ingleses do século XVII e em cerca de uma dúzia de textos do século XVIII, um rito maçónico de recepção que consistia em receber em loja um novo maçon com um aperto de mão durante o qual lhe comunicavam oralmente o nome das 2 colunas, Jachim e Boaz, do Templo de Salomão.

O desaparecimento progressivo das antigas lojas operativas determinou que o Rito da Palavra de Maçon tenha conseguido difundir-se rapidamente para substituir o Rito dos Antigos Deveres (Old Charges).

O conteúdo operativo deste último rito já não se adaptava aos maçons especulativos.

Importa lembrar que o Rito dos Antigos Deveres era um antigo rito operativo e de influência anglicana que consistia na recepção de um novo maçon em loja, onde lhe eram lidos os antigos deveres e sobre os quais o recipiendário jurava que os respeitaria.

Referir, desde já, que o Rito dos Antigos Deveres não comportava nem palavras nem sinais secretos.

De 1637 a 1652 os testemunhos históricos são unânimes em situar a existência do Rito da Palavra de Maçon na Escócia.

A título de exemplos: o poeta Henry Adanson, em 1638, referiu numa das suas obras (Thrénodie des Muses) que este rito surgiu em Kilwinning e depois em Perth entre 1628 e 1637 , que eram 2 cidades escocesas de elevada influência calvinista no século XVI; em 1653, Sir Thomas Urquhart de Cromarty afirmou na sua obra “Logopandecteision” que a Palavra de Maçon servia para fazer um maçon; em 1663, o reverendo William Guthrie, num dos seus sermões, qualificou-a de sinal; o reverendo Robert Kirk precisou no seu “Secret Commonwealth” que um dos elementos da Palavra de Maçon era um sinal secreto fornecido de mão a mão; e em 1696, o Edimburgo referiu-se-lhe como “a forma de transmitir a palavra de maçon”.

Este manuscrito de Edimburgo revela que este rito fez parte da loja de Canongate/ /Kilwinning, contendo 2 elementos rituais combinados e indissociáveis:

* · O toque dos 5 pontos do “compagnonnage”.
* · Uma palavra de companheiro ou de mestre cuja existência é mencionada, mas não identificada.

# Um aspecto historicamente relevante é que a loja calvinista de Kilwinning recusou assinar as cartas maçónicas dos católicos Sinclair de 1601 e 1628.

Os toques dos 5 pontos era uma ritualização maçónica que se baseava nos 5 pontos do Calvinismo, doutrina definida no sínodo presbiteriano de Dordrecht que incluía 5 artigos de fé de que as iniciais sucessivas formavam em conjunto a palavra TULIP: Total depravity; Unconditional Election; Limited atonement; Irresistible Grace; Perseverance of the saints.

Este rito foi concebido na origem para, por um lado, ser um sinal de comunhão fraternal (aperto da mão direita, em garra) e, por outro, como uma dupla palavra-passe (Jachim e Boaz).

Os maçons presbiterianos desenvolveram-no sob a forma de um catecismo simbólico para criar uma arte de memória conforme os princípios do Calvinismo, com um claro significado de santidade e da sua comunhão apostólica. A sua criação aconteceu num período de perseguição pelo poder real anglicano, o que determinou o seu carácter secreto.

A partir da chegada ao poder do calvinista Guilherme III, de Orange, em 1688, o secretismo deste rito deixou de estar motivado por razões político-religiosas, mas unicamente por questões profissionais de pertença e de independência sociais.

A confirmar este aspecto, importa ter presente o facto de, em 1705, a loja presbiteriana de Kilwinning definir o rito não do ponto de vista confessional, mas como um previlégio profissional que era recusado aos cowans, ou seja, aos operários não qualificados.

De 1696 até às Constituições de 1723, surgiram vários catecismos relativos ao rito da Palavra de Maçon.

A título de exemplo, temos:

* · Chetwode Crawley (1700)
* · Sloane 3329 (1700)
* · Dumfries nº 4 (1710)
* · Trinity College (1711)
* · Kevan (1714/1720)
* · Exame do Maçon (1723)

# Ao longo dos vários textos é possível verificar sucessivas modificações em diversos aspectos deste rito. A primeira modificação foi introduzida pelo Sloane, onde se verificou uma tendência, que se acentuou posteriormente, de descalvinizar o rito através de um processo de anglicanização.

Enquanto os anteriores catecismos, calvinistas, afirmavam que uma loja se compunha de 12 maçons, numa referência ao modelo de comunhão fraternal fornecido pelo colégio dos 12 apóstolos de Cristo, o Sloane refere que são suficientes 5 ou 6.

Simultaneamente, o Sloane divulga, pela primeira vez, que as letras de mestre são MB. O locutor proferia a letra M e o interlocutor a palavra B. Estas letras foram deformadas pela grande maioria dos catecismos onde apareceram como correspondendo às palavras judaico-cristãs de Maha / Byn.

Analisando o documento intitulado ” Eclectismo Maçónico” acaba-se por reconhecer na expressão “Marrow Bone” a forma credível das letras M B.

Noutro documento, intitulado “Todas as instituições dos franco-maçons a descoberto”, de 1725, é mencionada a expressão “Marrow in the Bone” e no Graham, em 1726, aparece como “Marrow in this Bone”.

Quanto aos toques, os 5 pontos estabelecidos nos catecismos calvinistas eram: pé com pé; joelho com joelho; coração com coração; mão com mão; orelha com orelha. Alguns catecismos consideravam que os 5 pontos incluíam a pressão mútua da coluna vertebral, referida como “backbone”.

O Graham, referiu que os 5 pontos eram: pé com pé; joelho com joelho; peito com peito; bochecha com bochecha; mão nas costas. Este catecismo possui ainda um outro aspecto de grande importância ao ser o primeiro a adoptar a reutilização do toque dos 5 pontos para os aplicar ao levantamento do cadáver de Noé.

Ora, de 1696 a 1725 o toque dos 5 pontos não servia para levantar cadáveres, mas simbolizava exclusivamente o papel determinante da doutrina do calvinismo na edificação da comunhão fraternal dos maçons presbiterianos entre eles.

Mais tarde, a Grande Loja de Londres descalvinizou por completo o sentido do toque dos 5 pontos, utilizando-o para a elevação do cadáver de Hiram, como figura alegórica da elevação de Cristo entre os mortos.

O documento “Exame do Maçon”, publicado em Londres em 1723, contemporâneo das Constituições, consiste numa abordagem ritual já anglicanizada que ironiza sobre os 5 toques calvinistas, acrescentando um 6º : língua com língua. Faz menção às 5 ordens de arquitectura reabilitadas na arquitectura religiosa anglicana pelo arquitecto Inigo Jones, e é o primeiro ritual a apresentar o arco-íris como modelo de arco da arquitectura.

As referências às ordens de arquitectura e ao arco-íris são elucidativas do seu carácter anglicano, dado que os presbiterianos, como todos os reformistas religiosos, se caracterizavam pela recusa categórica de construir santuários materiais religiosos.

Um outro catecismo inserido no rito da “Palavra de Maçon”, surgido em 1727 e denominado “Wilkinson”, foi o primeiro a mencionar a tríade ” Sabedoria, Força e Beleza”.

É este rito da “Palavra de Maçon” que, na sua essência, é transmitido, em Dezembro de 1714, pelo pastor escocês e presbiteriano James Anderson aos futuros criadores da Grande Loja de Londres. Composto no século XVII por 2 graus, aprendiz e companheiro, enquadrados por 1 mestre da loja, a função de mestre transforma-se na década de 1720 no 3º e último grau.

O rito da “Palavra de Maçon”, já modificado pelo “Exame do Maçon”, acabou por ser adoptado pela Grande Loja de Londres, em 1723. Esta abordagem ritual procurou introduzir o ecumenismo confessional e o eclectismo cultural, mantendo os elementos presbiterianos da “Palavra de Maçon” e acabando, até, de algum modo, por desconfessionalizá-lo pela sua referência á religião natural.

De facto, a Grande Loja de Londres conseguiu fazer do rito da “Palavra de Maçon” um rito ecuménico e, sobretudo, filosófico que, sem perder as características essenciais do calvinismo, se tornou interconfessional e, como tal, universal.

Em 1730, surgiu em Londres a publicação “Maçonaria Dissecada”, da autoria de Samuel Prichard, que procedeu á divulgação do ritual da Grande Loja de Londres praticado nessa época. Nesta publicação, que constituiu uma abordagem comentada do rito da “Palavra de Maçon”, foi efectuado o seu enquadramento histórico com a observação de que antes deste rito existia um outro rito praticado em conformidade com os antigos deveres operativos.

CONCLUSÕES:

O Rito da “Palavra de Maçon” constitui a base dos ritos maçónicos mais antigos e cujos elementos caracterizadores fundamentais ainda hoje perduram, tendo desempenhado a função de enquadramento da maçonaria especulativa então em grande expansão nos meios aristocráticos, burgueses e intelectuais.

Este rito é divulgado também na França a partir de 1725 e conheceu igualmente grande desenvolvimento neste país.

Todo o contexto histórico revela que a luta político-religiosa teve directas repercussões na evolução do ritual maçónico, determinando, em muitos aspectos, o seu conteúdo e alcance, quer simbólico quer alegórico.

De origem calvinista, acabou por ser anglicanizado e catolizado, dando lugar mais tarde a uma concepção ecuménica e conciliadora.

Já o Rito dos Antigos Deveres, textos da maçonaria inglesa, tinham sido primeiro de confissão católica antes de se tornarem anglicanos a partir de 1534.

O Rito da “Palavra de Maçon” , de acordo com vários dados históricos, é criado entre 1628 e 1637, num período em que as correntes religiosas minoritárias eram alvo de uma repressão generalizada pelo Poder político-religioso da monarquia inglesa.

Só a partir da aprovação do “Toleration Act”, em 1689, é que foi restituída aos presbiterianos a sua liberdade de culto.

O conhecimento dos aspectos históricos relativos a este rito mostra que o nascimento e consolidação da maçonaria especulativa não foram imunes ao meio social, político e religioso envolvente e que procurou e conseguiu acompanhar essas alterações como forma de assegurar a sua viabilidade e desenvolvimento no seio das sociedades em acelerada transformação.

Apesar dos princípios desde sempre proclamados quanto á proibição das discussões em loja sobre assuntos políticos e religiosos, tornam-se evidentes a influência decisiva das concepções religiosas na elaboração dos aspectos mais elementares dos rituais maçónicos e o maior ou menor peso que certas correntes religiosas detiveram num dado momento histórico.
O estudo e a divulgação dos diversos aspectos do desenvolvimento da Maçonaria e dos seus ritos constitui um elemento fundamental na compreensão e manutenção da sua identidade histórica e filosófica.

* Négrier, Patrick – “La Tulip”

Grande Oriente de França

grande oriente franca

A Grande Loja Simbólica da Lusitania é uma Obediência Maçónica MISTA, que trabalha com as Cartas Patentes do GRANDE ORIENTE DE FRANÇA, a maior Obediência Maçónica francesa e a primeira da Corrente Maçónica Liberal e a Adogmática, em todo o mundo.

Saber Mais